Umidade chega a 20% e aumenta casos de doenças nos olhos no DF

Umidade chega a 20% e aumenta casos de doenças nos olhos no DF

Publicado em 9 de agosto de 2017

Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), a umidade relativa do ar em agosto deve ficar na média de 20% no Distrito Federal, podendo ser ainda mais baixa. Esse nível é considerado estado de atenção pela Organização Mundial da Saúde (OMS). A chegada da seca aumenta o número de pacientes que vão ao oftalmologista com problemas oculares. A síndrome do olho seco, a conjuntivite e a alergia ocular são as principais doenças da visão potencializadas com a chegada do período de estiagem.

Segundo o médico oftalmologista da Clínica Oftalmed Leonardo Tizzo a mudança no clima pode favorecer o ressecamento dos olhos, provocar alterações na superfície ocular e causar a diminuição da produção ou ainda variações na composição da lágrima.

“Quando somada a outros fatores como a exposição excessiva ao vento, o uso de lentes de contato, a longa permanência em ambientes com ar condicionado ou a exposição prolongada a telas de computadores, smartphones, TVs e tablets, essa alteração no clima pode contribuir para causar o problema”, explica o especialista.

De acordo com ele, a lágrima é essencial para lubrificar, nutrir e proteger as estruturas oculares externas, como a córnea e a conjuntiva. “Se a lágrima estiver alterada em quantidade ou qualidade, o paciente pode apresentar sintomas como ardor e vermelhidão nos olhos, coceira, irritação, visão turva, sensação de corpo estranho ou areia nos olhos e desconforto ao praticar atividades simples como ler ou ver TV. Em quaisquer dessas situações, o ideal é procurar um especialista e evitar a automedicação. “, detalha.

CONJUNTIVITE – Conjuntivite é a inflamação da conjuntiva ocular, membrana que recobre a parte externa do olho. Ela pode ser causada por diversos motivos, como a presença de vírus e bactérias (conjuntivite infecciosa) que se proliferam muito em períodos de calor, ou por produtos químicos ou tóxicos (conjuntivite alérgica).

Os principais sintomas da doença são similares aos da síndrome do olho seco e incluem coceira, sensação de areia nos olhos, vermelhidão, ardência e secreção. “Em alguns casos, o paciente também pode apresentar dores no corpo, sensação de gripe e processos alérgicos como rinite e asma. Da mesma forma, a recomendação é buscar um especialista de confiança, já que o tratamento indicado depende do tipo específico de cada conjuntivite”, alerta Leonardo Tizzo.

ALERGIA OCULAR – A alergia ocular é uma reação exagerada do sistema imunológico a uma das substâncias irritantes, denominadas alérgenos (ácaros, poeira, pólen e mofo, por exemplo) e atinge de 15% a 20% da população mundial, de acordo com o médico oftalmologista da Clínica Oftalmed, Marcos Ferraz.

“Os pacientes que têm histórico de alergias respiratórias, dermatológicas ou alimentares geralmente procuram o consultório oftalmológico se queixando de coceira e inchaço nos olhos, que são os principais indícios de alergia ocular”, conta o especialista. De acordo com ele, qualquer pessoa está sujeita a desenvolver alergia ocular, principalmente em casos de contato com cosméticos ou maquiagem, porém ela é muito mais frequente nos pacientes alérgicos.

A previsão da Organização Mundial de Saúde (OMS) é de que até 2050 metade da população tenham algum tipo de alergia. Algumas doenças oculares chegam a triplicar nesta época do ano, acompanhando a estimativa da OMS, que relaciona o frio ao aumento das doenças respiratórias como gripe, resfriado, asma, rinite e sinusite.

HÁBITOS SAUDÁVEIS – O uso de umidificadores de ar nos ambientes de maior permanência pode reduzir os sintomas de olhos secos. Usar óculos escuros em ambientes externos também pode ser benéfico tanto para proteger a visão dos raios ultravioleta quanto para dificultar a evaporação das lágrimas e manter os olhos úmidos.

“Além disso, lavar sempre as mãos e evitar coçar os olhos excessivamente também são comportamentos essenciais para prevenir a secura e as contaminações que podem causar conjuntivites. Outra estratégia interessante é usar colírios lubrificantes recomendados por um especialista, fazer pausas durante o trabalho para desviar a atenção da tela do computador e lembrar de piscar os olhos com frequência”, finaliza o médico da Clínica Oftalmed, Leonardo Tizzo.

 

OFTALMED – Com 23 anos de tradição no Distrito Federal, a Clínica Oftalmed possui unidades na Asa Sul, Taguatinga e Águas Claras e realiza mais de 14 mil atendimentos mensais, entre consultas e exames clínicos. Além do atendimento clínico geral, a Oftalmed oferece atendimento especializado em catarata, refrativa, retina, glaucoma e cirurgia plástica.

 

Assessoria de Imprensa

Larissa Sampaio
(61) 9 8181.9102
larissa@coletivoconversa.com.br

Bruno Aguiar
(61) 9 8194.9402
bruno@coletivoconversa.com.br

Relacionadas