Infarto ocular é uma das causas mais importantes de cegueira

Infarto ocular é uma das causas mais importantes de cegueira

Publicado em 9 de agosto de 2017

O infarto ocular, nome popular dado ao bloqueio de fluxo sanguíneo ocular, é uma das doenças que mais podem levar à cegueira repentina. Silenciosa, ela não causa dor e os sintomas normalmente já são a mudança no padrão da visão ou cegueira repentina. Assim como o infarto cardiovascular, esse problema nos olhos também pode aparecer com mais frequência em pacientes que tenham diabetes, pressão alta e sejam fumantes.

O bloqueio de fluxo sanguíneo pode acontecer de duas maneiras: pela oclusão na artéria central da retina, modo mais raro, e pela obstrução ocorre na veia que drena o sangue na retina, forma mais grave chamada de trombose venosa ocular.

“No caso da trombose venosa, o bloqueio pode prejudicar a circulação e a visão de maneira parcial ou total. Às vezes, ele pode atingir áreas mais periféricas do olho e que não prejudicam a visão central. Por isso, em algumas situações o paciente pode nem saber que tem a doença”, explica o médico oftalmologista com atuação em retina, Sebastião José Ferreira Neto.

SINTOMAS – O bloqueio de fluxo sanguíneo ocular não apresenta sintomas como dor ou sangramento visível. Quando o paciente sente alguma alteração, em geral perda parcial ou total da visão, deve procurar o oftalmologista o mais breve possível para realizar exames como o de fundo de olho, em que o médico, consegue perceber a presença de sangramentos e inchaços (edemas) internos.

De acordo com o especialista Sebastião José Ferreira Neto, “a trombose venosa mais leve pode ser reversível, caso em que o paciente volta a enxergar normalmente; pode causar edemas mesmo após o tratamento do infarto ocular, ou pode provocar a perda permanente da visão ou de parte dela. Isso dependerá da gravidade da doença e de onde ocorreu a obstrução”, ressalta.

TRATAMENTO – Quanto maior o tempo de desenvolvimento da trombose, mais difícil será o tratamento, pois o processo inflamatório pode criar uma obstrução permanente. “Na maioria dos casos, o tratamento da doença ocorre por meio de remédios intraoculares para melhorar e facilitar o fluxo sanguíneo. Em casos extremos, usa-se a fotocoagulação, tratamento a laser, na área da retina que foi afetada”, explica  Sebastião José Ferreira Neto.

Pacientes que já foram diagnosticados com a doença uma vez estão mais propensos a  apresentar bloqueio do fluxo sanguíneo ocular novamente e, por esta razão, devem frequentar o oftalmologista regularmente. Além deles, idosos também devem estar atentos pois fazem parte do grupo de risco.

 

OFTALMED – Com 23 anos de tradição no Distrito Federal, a Clínica Oftalmed possui unidades na Asa Sul, Taguatinga e Águas Claras e realiza mais de 14 mil atendimentos mensais, entre consultas e exames clínicos. Além do atendimento clínico geral, a Oftalmed oferece atendimento especializado em catarata, refrativa, retina, glaucoma e cirurgia plástica.

 

Assessoria de Imprensa

Larissa Sampaio
(61) 9 8181.9102
larissa@coletivoconversa.com.br

Rodrigo Rocha
(61) 9 8348.28008382
rodrigo@coletivoconversa.com.br

Relacionadas