Dia Nacional de Combate ao Glaucoma: 700 mil brasileiros não sabem que têm a doença

Dia Nacional de Combate ao Glaucoma: 700 mil brasileiros não sabem que têm a doença

Publicado em 22 de maio de 2017

O Dia Nacional de Combate ao Glaucoma é celebrado todo dia 26 de maio. A doença atinge cerca de 65 milhões de pessoas em todo o mundo, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), e é a maior causa de cegueira evitável e irreversível. No Brasil, o glaucoma atinge 2 a 3% dos indivíduos acima de 40 anos, o que corresponde a aproximadamente 1 milhão de pessoas.

“O mais impressionante é que, deste total, a estimativa é de que 700 mil brasileiros nem saibam que têm a doença”, destaca o oftamologista Marcos Ferraz, coordenador do Departamento de Glaucoma da Clínica Oftalmed. De acordo com ele, a idade avançada e a hipertensão arterial são dois dos principais fatores de risco para o glaucoma, problema da visão associado ao aumento da pressão intraocular que provoca lesões no nervo ótico.

“A hipertensão arterial, que atinge 1 em cada 5 pessoas no Distrito Federal de acordo com o Ministério da Saúde, pode prejudicar a saúde dos vasos sanguíneos, principalmente em consequência da chamada esclerose arteriolar, dano progressivo que causa o enrijecimento dos vasos oculares, dificultando o fluxo sanguíneo retiniano”, revela Ferraz.

ENVELHECIMENTO – Um estudo norte-americano publicado pelo periódico especializado Journal of the American Academy of Ophthalmology estimou que o número de indivíduos com glaucoma aumentará de 65 milhões para 76 milhões até 2020, e para 112 milhões em 2040.

Como o envelhecimento está diretamente ligado ao glaucoma, isso significa que mais pessoas poderão ser afetadas pela doença. Segundo o IBGE, se a população continuar a crescer da forma que avançou até 2015 e as projeções da Organização das Nações Unidas (ONU) se confirmarem, a parcela de idosos na população mundial deverá dobrar para 24,6% em cerca de 55,8 anos. No Brasil, essa proporção será duplicada e 23,5% da população será idosa em apenas em 24,3 anos, ou seja, menos da metade desse tempo.

“À medida que envelhecemos, o corpo fica mais suscetível ao desenvolvimento de algumas doenças como o diabetes, que podem elevar a pressão ocular. Quanto maior ela for, mais elevadas são as chances de lesão do nervo óptico e consequente perda do campo visual. Por isso, os cuidados preventivos e o acompanhamento médico permanente são essenciais”, enfatiza o também oftalmologista da Clínica Oftalmed, Jonathan Lake.

GLAUCOMA – Os dois principais tipos de glaucoma são o de ângulo aberto, que corresponde a cerca de 80% dos casos, tende a ser hereditário e se desenvolve de forma lenta, gradual; e de ângulo fechado (agudo), provocado pelo bloqueio súbito dos canais lacrimais que podem ocasionar dores de cabeça, dor no olho, auréolas de arco-íris ao redor das luzes, náusea e vômitos.

O glaucoma de ângulo aberto é mais comum e em 80% dos casos não apresenta sintomas antes de provocar algum nível de perda visual. Por esta razão, ele pode ser diagnosticado tardiamente se o paciente não mantiver uma rotina de acompanhamento médico com um oftalmologista. Também estão mais sujeitas à doença pessoas negras (que naturalmente também têm maior propensão ao desenvolvimento da hipertensão arterial), com histórico familiar de glaucoma, portadores de alta miopia e usuários crônicos de colírios com corticoides.

ACOMPANHAMENTO MÉDICO A periodicidade do acompanhamento médico especializado deve ser o mais individualizada possível e indicada por cada profissional de acordo com a situação de saúde do paciente. Em geral, a recomendação é visitar o oftalmologista para exames de rotina pelo menos uma vez ao ano.

Alguns testes são fundamentais para diagnosticar a presença de glaucoma, a exemplo do exame do fundo do olho, do mapeamento de retina, da medida da pressão intraocular (tonometria), da espessura da córnea (paquimetria) e exame de campo visual.

A depender do caso, é preciso avaliar as variações da pressão intraocular fazendo a sua medição fazer em diferentes horas do dia com um teste chamado Curva Tensional Diária (CTD). Outros exames podem ser solicitados pelo médico de acordo com a necessidade. Apesar de não ter cura, o glaucoma pode ser controlado e, por isso, é essencial seguir à risca o tratamento médico que for recomendado pelo especialista, seja ele por meio do uso colírios, de intervenções feitas com laser ou cirurgias.

 OFTALMED – Com 23 anos de tradição no Distrito Federal, a Clínica Oftalmed possui unidades na Asa Sul, Taguatinga e Águas Claras e realiza mais de 14 mil atendimentos mensais, entre consultas e exames clínicos. Além do atendimento clínico geral, a Oftalmed oferece atendimento especializado em catarata, refrativa, retina, glaucoma e cirurgia plástica.

Assessoria de Imprensa

Bruno Aguiar
(61) 9 8195.9402
bruno@coletivoconversa.com.br

Rodrigo Rocha
(61) 9 8348.2800
rodrigo@coletivoconversa.com.br

Relacionadas