Consumo de vitamina C contribui para a prevenção da catarata Foto do google

Consumo de vitamina C contribui para a prevenção da catarata

Publicado em 6 de março de 2017

Um estudo realizado por pesquisadores do King’s College London, na Inglaterra, apontou a vitamina C – encontrada em grande quantidade em frutas como laranja, limão e morango – como uma poderosa aliada na prevenção da catarata. A doença diminui gradativamente a transparência do cristalino, lente natural do olho localizada atrás da pupila, deixando a vista fica embaçada e, quando não tratada, pode provocar cegueira.

Segundo os especialistas, as propriedades antioxidantes da vitamina ajudam a prevenir a catarata porque combatem os radicais livres do organismo, substâncias liberadas durante o metabolismo e que, quando em excesso, danificam as células do corpo.

“Sabemos que o envelhecimento celular deve-se à ação dos radicais livres e é exatamente no combate a eles que os antioxidantes atuam. Então, alimentos ricos em vitamina C, mas também em vitamina E, podem ajudar a manter a transparência do cristalino e a adiar o aparecimento da catarata”, explica o oftalmologista da Oftalmed, Leonardo Tizzo.

O ESTUDO – Para chegar a essa conclusão, o grupo de estudiosos acompanhou 324 pares de gêmeas entre 50 e 83 anos por uma década. Com fotos do cristalino tiradas ao longo desse tempo, os profissionais avaliaram a evolução da catarata e cruzaram os dados com informações sobre a ingestão de nutrientes das mulheres.

Ao final, houve uma redução de 33% no ritmo da evolução da doença entre as que haviam consumido maior quantidade de vitamina C. Todavia, mesmo com todos os benefícios, o consumo de ácido ascórbico, nome oficial da vitamina C, deve ser regrado. Em excesso, ela pode provocar cálculos renais, distúrbios gastrintestinais e irritação na bexiga, já que porque torna a urina mais ácida.

Segundo o médico geriatra Alberto de Macedo Soares, ex-presidente da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia – seção São Paulo, um organismo adulto necessita 1,5 miligrama de vitamina C por dia, o que pode ser suprido com duas ou três porções diárias de frutas ácidas e verduras.

A CATARATA – De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a catarata é responsável por 51% dos casos de cegueira no mundo. No Brasil, a doença atinge, em média, 28,7% das pessoas com mais de 60 anos, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O Centro-Oeste é a região do país com maior incidência de catarata em indivíduos com mais de 60 anos: 33,7% da população com 60 anos ou mais desenvolvem a enfermidade. Em seguida aparecem as regiões Nordeste (31,9%), Sudeste (28,7%), Norte (26,7%) e Sul (21,8%).

Os pacientes mais propensos a apresentar o diagnóstico da doença são os idosos. “Estudos mostram que 90% das pessoas acima dos 65 anos já apresentam algum grau da doença, que também tende a aparecer mais comumente em pessoas que apresentam casos na família, em pacientes com histórico de uso crônico de corticoides, e em indivíduos que trabalham muito próximo a fontes de calor como soldadores, chapeiros e fabricantes de vidro.

O diagnóstico da catarata é feito durante a consulta oftalmológica, por meio do exame de biomicroscopia, no qual o médico oftalmologista usa a chamada lâmpada de fenda para analisar o cristalino. Já o seu tratamento é cirúrgico. No procedimento, o especialista retira o cristalino que está disfuncional e o substitui por uma lente intraocular, que restaura a visão do paciente.

INFRAESTRUTURA – Em agosto do ano passado, a Oftalmed inaugurou uma nova ala em sua unidade na Asa Sul dedicada exclusivamente ao diagnóstico e tratamento da catarata. Entre os principais serviços ofertados pelo novo espaço está a cirurgia de catarata com uso de Femto Laser, que elimina a necessidade do uso de lâminas e aumenta a segurança e precisão do procedimento.

“A Oftalmed é, sem dúvidas, uma das melhores clínicas do Brasil para o tratamento da catarata, seja pelo excelente nível do corpo clínico, que conta com oftalmologistas especializados reconhecidos nacionalmente e no exterior, seja pela infraestrutura moderna à disposição de todos”, finaliza o médico oftalmologista Leonardo Tizzo.

Relacionadas