Ceias de final de ano: celíacos e alérgicos alimentares também podem aproveitar

Ceias de final de ano: celíacos e alérgicos alimentares também podem aproveitar

Publicado em 10 de dezembro de 2016

As festas de final de ano são momentos de confraternização com família e amigos, quando todos estão reunidos em torno da mesa para celebrar a chegada de um novo ciclo. Para muitas pessoas, estas reuniões tornam-se desconfortáveis seja por causa de uma alergia alimentar ou de uma condição mais grave, como a doença celíaca.

No entanto, a ceia de final de ano não precisa significar privação do prazer de comer bem. De acordo com a nutricionista e chef Tâmara Rolim, é possível fazer receitas típicas do Natal, como o panettone, sem glúten e sem lactose.

Rolim, que é proprietária da escola de culinária NutriChef Brasília, desenvolveu cursos especiais para celíacos e intolerantes à lactose, com foco em receitas de Natal e Ano Novo. “É muito comum as pessoas que possuem alergias alimentares não poderem desfrutar das sobremesas de final de ano. Nessas aulas, elas poderão fazer as próprias receitas, levar para as suas festas e degustar com a família”, destaca.

De acordo com a chef nutricionista, as pessoas tendem a se arriscar nas festas de final de ano e comer as guloseimas tradicionais, mesmo sabendo que podem passar mal. Essas aulas surgiram para atender a este universo de pessoas que lidam diariamente com a privação.

“Fazer aula das coisas que eles podem comer vira um processo de inclusão. Quando eles descobrem que possuem uma alergia, isso gera um impacto em sua vida social. É muito comum eles deixarem de sair com os amigos, porque têm medo de ter contaminação, ou porque não podem desfrutar de um bom prato com as pessoas que eles gostam. A privação é real, mas pode ser contornada”, conta Tâmara Rolim.

Neste sentido, a NutriChef Brasília está promovendo aulas nesta primeira semana de dezembro voltadas para celíacos, intolerantes à lactose, nutricionistas e demais interessados. A primeira aula é de tortas doces sem glúten e sem lácteos, e acontece no próximo dia 7, às 14h30. Os alunos aprenderão a fazer clafoutis de amêndoas, tarte de nozes, crumble de frutas vermelhas, rocambole de banana e torta de maçã caramelada.

A segunda aula é sobre sobremesas sem glúten e sem lácteos. Esta acontece nos dias 9 e 10, às 14h30, com a chef Amábile Kolenda, de Florianópolis, especialista em gastronomia funcional e de restrição. Quem participar irá aprender a fazer brownie raw sem açúcar, torta de limão com merengue, bolo de chocolate belga com creme de baunilha e morangos e cupcake de “churros”.

A terceira aula desenvolvida pelas chefs é sobre ceias de Natal sem glúten e sem lácteos, e acontece nos dias 9 e 10 (manhã ou noite), com a Amábile Kolenda (SC). Salpicão funcional, salada de bacalhau com lentilha, farofa rica em fibras e chocotone fazem parte do cardápio da aula.

 

Quando a comida pode nos fazer mal

Muitos não imaginam o que é não poder comer algo por risco à saúde. No caso dos celíacos e dos alérgicos alimentares essa é uma realidade diária.

A alergia alimentar é uma reação desagradável ou perigosa do sistema imunológico após a ingestão de determinado alimento. A causa é desconhecida, mas a condição é tratável. Em alguns casos, alergias existentes na infância podem desaparecer na idade adulta ou podem ainda durar uma vida inteira. Os sintomas de uma reação alérgica podem incluir problemas digestivos, urticária e inchaço das vias respiratórias. Reações alérgicas graves podem ser fatais.

Já a doença celíaca é uma condição mais grave e autoimune, que se configura na reação do sistema imunológico à ingestão de glúten, uma proteína encontrada no trigo, na cevada e no centeio. Com o passar do tempo, a reação imune ao consumo do glúten gera uma inflamação que danifica as paredes do intestino delgado, causando complicações médicas.

Estudos destacam que o componente genético é importante para o desenvolvimento da doença. De fato, cerca de 40% da população possui o marcador de risco genético para desenvolvimento da doença celíaca. Estatísticas atuais apontam que 1% da população mundial é celíaca, e estima-se que 1 a cada 400 brasileiros tenham essa condição.

O sintoma clássico é a diarreia. Outros sintomas são distensão abdominal, gases, fadiga, anemia e osteoporose. Muitas pessoas não apresentam qualquer sintoma.

A base do tratamento é uma dieta sem glúten para ajudar a gerenciar os sintomas e promover a cura do intestino. Qualquer quantidade de glúten, por mínima que seja, é prejudicial para o celíaco.

 

SERVIÇO

 

Aula de tortas doces sem glúten e sem lácteos

Quando: 7 de dezembro (quarta-feira)

Horário: 14h30

Mais informações: http://www.nutrichefbrasilia.com.br/aulas-de-culinaria/tortas-doces-sem-gluten-e-sem-leite-2

 

Aulas de sobremesas sem glúten e sem lácteos com Amábile Kolenda (SC)

Quando: 9 e 10 de dezembro (duas turmas)

Horário: 14h30.

Mais informações:

Dia 9 – http://www.nutrichefbrasilia.com.br/aulas-de-culinaria/nutrichef-convida-amabile-kolenda-sobremesas-low-carb-sem-gluten-e-sem-lacteos

Dia 10 – http://www.nutrichefbrasilia.com.br/aulas-de-culinaria/nutrichef-convida-amabile-kolenda-sobremesas-low-carb-sem-gluten-e-sem-lacteos-2

 

Aulas de ceias de Natal sem glúten e sem lácteos

Quando: 9 e 10 de dezembro (duas turmas)

Horário: Dia 9, às 19h; dia 10, às 10h.

Mais informações:

Dia 9 – http://www.nutrichefbrasilia.com.br/aulas-de-culinaria/ceia-de-natal-sem-gluten-e-sem-lacteos-com-amabile-kolenda

Dia 10 – http://www.nutrichefbrasilia.com.br/aulas-de-culinaria/nutrichef-convida-amabile-kolenda-ceias-de-natal-sem-gluten-e-sem-lacteos

Os interessados podem se inscrever pelo e-mail contato@nutrichefbrasilia.com.br ou pelo telefone (61) 3468 4363. As aulas custam R$ 250 cada e possuem vagas limitadas. O valor da inscrição inclui aula, receitas impressas, todos os ingredientes, degustação das preparações, água e suco.

Mais informações sobre estes e outros cursos no site http://www.nutrichefbrasilia.com.br/

 

Sobre as chefs

Tâmara Rolim

Tâmara Rolim começou ainda criança sua experiência em meio às panelas. Filha mais velha, desde os oito anos de idade cozinha e acredita nos alimentos como forma de afeto. Formada em nutrição pelo UniCeub e gastronomia pelo Instituto de Gastronomia Italiana para Estrangeiros (ICIF), fundou aNutriChef, em 2010, com a missão de despertar o amor e a curiosidade pela alimentação por meio de seus cursos. Hoje dedica-se ao desenvolvimento e preparo de receitas e aulas, com destaque para a produção de alimentos sem glúten e sem lácteos. Aliando nutrição e gastronomia, orgulha-se de ter alcançado, com sabor e saúde, o público alérgico, intolerante ou com hipersensibilidade alimentar. “Quando cozinhamos somos capazes de criar vínculos e tornar aquele prato parte da nossa cultura, da nossa vida”, acredita.

 

Amábile Kolenda

Bacharel em gastronomia, Amábile iniciou uma pós-graduação em Gastronomia Funcional (FAMESP) e cursa pós-graduação em Gestão de Qualidade em Gastronomia (Estácio ASSESC).

A chef trabalha com gastronomia funcional e de restrição. Criadora do blog Tofuncional (https://tofuncional.com/), ela compartilha receitas também pelo seu perfil no instagram @amabilekolenda e em sua página no Facebook: facebook.com/amabilekolendatofuncional. Amábile ministra workshops de gastronomia funcional, oferece aulas de personal cook e consultorias para estabelecimentos.

 

ASSESSORIA DE IMPRENSA NUTRICHEF BRASÍLIA

Kadydja Albuquerque
kadydja@coletivoconversa.com.br
(61) 3034 0442 / 98277 8383

Rodrigo Rocha
rodrigo@coletivoconversa.com.br
(61) 98348 2800

Relacionadas