O e-mail está morrendo com o avanço da Comunicação Digital?

O e-mail está morrendo com o avanço da Comunicação Digital?

Bruno Aguiar

Bruno Aguiar Publicado em 9 de maio de 2017

Quando a internet se popularizou, nos anos 90, o e-mail era uma das principais formas de trocar mensagens. Mas muitos especialistas em Comunicação Digital acreditam que o seu fim pode estar próximo. Como isso seria possível se, só em 2017, calcula-se que 3,7 bilhões de usuários serão responsáveis por 269 bilhões de e-mails enviados e recebidos por dia no mundo, segundo a consultoria norte-americana Radicati Group? A resposta pode estar na evolução da comunicação nas últimas duas décadas.

Com o surgimento de mensageiros de desktops, como ICQ e MSN, o mundo descobriu os bate-papos de mensagens instantâneas. Mais recentemente esses mensageiros chegaram nos celulares, em plataformas como WhatsApp, Facebook Messenger, Telegram e outros.

Mais recentemente ainda surgiram os aplicativos de produtividade, como Slack, Trello e Asana, que facilitam a troca de mensagens e arquivos e organizam as demandas do trabalho, principalmente. Eles funcionam em celulares, tablets e computadores e misturam funcionalidades de forma muito eficiente.

 

Slack ajuda empresas a melhorarem sua comunicação interna, reduzindo a necessidade da troca de infinitos e-mails e da participação em diversas reuniões para tomar uma decisão. A startup, lançada em 2014, é avaliada atualmente em US$ 3.8 bilhões

Não é só o avanço da Comunicação Digital que contribui para o desuso do e-mail. Thierry Breton, ex-ministro das finanças da França e atual CEO gigantesca empresa de TI Atos, disse há alguns anos que estava tomando providências para deixar de usar e-mails na sua empresa. O motivo seria a falta de produtividade da ferramenta.

De acordo com Breton, um levantamento interno mostrou que seus funcionários gastam “entre 5 e 20 horas” por semana lidando com suas mensagens eletrônicas e que apenas 10% dos 200 e-mails que cada funcionário recebe todos os dias têm alguma utilidade.

O executivo está falando da avalanche de lixo eletrônico disparado trilhões de vezes todos os dias nas caixas de e-mail em todo mundo. Diferente dos e-mails, ferramentas de mensagens instantâneas e de produtividade têm ferramentas mais eficazes para barrar esse tipo de conteúdo.

Voltando à pergunta que abriu esse artigo: o e-mail está morrendo? Não podemos dizer que o e-mail será extinto, mas podemos afirmar que outras ferramentas estão surgindo com uma efetividade maior e ameaçando o seu uso.

Devo extinguir o e-mail da minha empresa?

Calma! Esse artigo não tem função de causar terror nas empresas e organizações. Ao contrário. Estamos mostrando que, além do e-mail, existem outras e novas plataformas que podem tornar a comunicação da sua empresa mais eficiente.

Esse diagnóstico pode ser feito no Planejamento Estratégico de Comunicação Organizacional, quando a eficiência dos canais de comunicação é testada e novas ações são propostas. Sua empresa ainda não possui um planejamento assim? Você precisa dele com urgência. Tempo é dinheiro e você precisa se certificar que sua empresa está gastando-o da melhor forma e se comunicando de maneira eficaz.

No próximo artigo voltaremos ao assunto e falaremos sobre as novas ferramentas digitais para comunicação interna. Até lá!

 

Bruno Aguiar é gestor de Comunicação e sócio do Conversa Coletivo de Comunicação Criativa
bruno@coletivoconversa.com.br

Relacionadas