As agências serão engolidas por consultorias?

As agências serão engolidas por consultorias?

Larissa Sampaio

Larissa Sampaio Publicado em 30 de maio de 2018

A discussão veio à tona no ano passado, quando se tornou incontestável a convergência entre empresas de consultoria – que tradicionalmente indicavam alternativas para melhorar os resultados de organizações baseando-se em análises de dados – e agências de comunicação, que também notaram a importância da análise de dados para o sucesso das estratégias de marketing digital.

Hoje, não faz mais sentido contratar uma agência com finalidade única de propor um briefing e direção de arte, mas sim, planejar todo o posicionamento da empresa, desde a comunicação com seu público até a análise dos dados gerados a partir da percepção do que foi comunicado.

No começo de maio participei do Planner Summit, um evento para apresentar e discutir tendências com planejadores de comunicação. O evento paulista, realizado pela Media Education, trouxe um painel em que abordava a entrada das consultorias no mercado de comunicação.

PLANNER SUMMIT

O publicitário Rafael Ziggy, que hoje trabalha no braço de Comunicação da consultoria Accenture, compartilhou sua experiência ao trocar uma agência de publicidade por uma empresa de consultoria que, anteriormente, era focada apenas em negócios.

A percepção de Rafael é que a concorrência entre essas organizações começou a existir porque, até pouco tempo atrás, falava-se apenas em mídia offline e a presença digital não tinha relevância na visibilidade de uma marca.

Entretanto, à medida em que o marketing torna-se cada vez mais aliado dos dados e da tecnologia, as agências de comunicação estão começando a se adaptar a esta tendência e criar um novo eixo de trabalho que é bastante similar ao da consultoria empresarial. Muitas agências já discutem com seus clientes estratégias e desafios de negócios e suas consequências do ponto de vista de comunicação, com rigor analítico.

HÁ ESPAÇO PRA TODO MUNDO

As agências que não optarem por uma estrutura de profissionais de consultoria “in-house” terão de mostrar que entendem de estratégia de negócios e o papel da tecnologia em marketing para acompanhar as consultorias.

Já as consultorias terão de se esforçar na criação de soluções inovadoras e criativas para os desafios de seus clientes, tendo em vista que a estética e criatividade ainda são partes essenciais para o sucesso do marketing.

É evidente que tanto as agências de comunicação quanto as consultorias terão de se adaptar a este novo modelo de comunicação a fim de oferecerem serviços mais completos a seus clientes. Entretanto, você, dono de agência, não se desespere: há espaço pra todo mundo!

 

Larissa Sampaio
Estudante de Comunicação Organizacional na Universidade de Brasília (Comorg/UnB) e estagiária no Conversa Coletivo de Comunicação Criativa

Relacionadas